Wikipédia Quem Somos Mulher 500 Publicações Parceiros Links Home Contato Home
  Nesta seção além de obter informações sobre as temáticas relacionadas ao papel da mulher na história do Brasil, você pode também nos ajudar a construir de maneira participativa e democrática o Dicionário Mulheres do Brasil - Volume II, através desta ferramenta.  
COLABORE
Login:
   
Senha:
   
Cadastre-se aqui
  Esqueci minha senha
 
Mini-biografias contidas no "Dicionário Mulheres do Brasil Volume I (publicado) e Volume II (a publicar).
 
Busca Alfabética
| A-C | D-G | H-L | M-P | Q-Z |
Busca Avançada
Nome:
Século:  
Estado:  
Etnia/Cor:  
Atividade:  
Palavra-chave  
Volume:   I II (Wiki)
 
  Guia de referência bibliográfica com a temática de gênero, etnico-raciais e direitos humanos.  
Busca
Palavra-chave:
   
Artigos, Dissertações e Teses.
Busca
Palavra-chave:
Tipos:
Nesta seção estamos disponibilizando cartazes produzidos pelo Movimento Feminista, Movimento de Mulheres, Ong's e Instituições públicas; que tratam de temáticas relacionadas a defesa dos Direitos Humanos das Mulheres.
Busca
Palavra-chave:
Categoria:
 

 

Wikipédia
Em breve!
acervo e pesquisa - biografia de mulheres
detalhes

Loreta Kiefer Valadares (1943 – 2004) - VOLUME 2

Século:

XX
Estado: RS
Etnia/cor: Branca
Atividade: Feminista e ativista política contra o governo militar
Descrição:

Loreta Kiefer Valadares nasceu em Porto Alegre (RS), em 1943, e, aos seis anos, com a transferência de emprego de seu pai, Curt Kiefer - judeu-alemão fugitivo da perseguição nazista-, mudou-se para Salvador (BA). Em 1961 ingressou na Faculdade de Direito da Universidade Federal da Bahia interrompendo o curso, contudo, alguns meses depois, para um estágio nos Estados Unidos. Desencantada com a situação social encontrada na América, retorna ao Brasil, em 1962, ingressando no recém criado Movimento Estudantil de Ação Popular (AP).
A mudança para São Paulo, onde a AP desejava criar bases sólidas, ocorreu em 1966, mesmo ano em que se diplomou. No ano seguinte, 1967, com Carlos Valadares – de quem se tornaria esposa em 1968-, rumou para Contagem- onde atuou junto ao operariado-e, de lá para Mata da Jaíba, também em Minas Gerais, atuando agora junto aos camponeses/as.
Presa com muitos/as outros/as companheiros em 1969, após retornar a Belo Horizonte, como conseqüência do recrudescimento político instaurado no país, após a promulgação em dezembro de 1969, do Ato Institucional nº 5 (AI5), pelo Governo Militar, manteve-se firme diante dos longos e cruéis interrogatórios aos quais era submetida. Desse período, a terrível lembrança de uma noite na qual foi levada ao pátio do 12º Regimento da Infantaria, por seus algozes, para que assistisse ao cruel espancamento do marido, amarrado pelas mãos e pés.
Libertada em maio de 1970, retorna a São Paulo e retoma contato com a AP, seguindo para Recife, descobrindo, em meados de 1971, ser portadora de um sério problema cardíaco- que lhe reduzia em 40% a capacidade cardiocirculatória-, agravado pelas condições as quais fora submetida no cárcere. Retornando a capital paulista para tratamento, foi no ano seguinte, 1972, condenada a três anos de prisão e, durante cinco anos experimentou a cassação dos direitos políticos. Seguindo orientação do Partido Comunista do Brasil (PC do B), ao qual se filiara, parte para a Argentina e, de lá para a Suécia, onde ao lado do marido atua em movimentos de solidariedade aos povos da América Latina.
Em seu retorno ao Brasil, 1980, torna-se professora de Ciência Política da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal da Bahia, assim permanecendo até aposentar-se anos depois. Com a saúde bastante debilitada, cansava-se enormemente em atividades como caminhar e fazer pequenos movimentos, com por exemplo pentear os cabelos. Ao falecer deixou como resultado de sua trajetória- além do testemunho de vida-, uma enorme contribuição ao movimento de mulheres e de luta para a conquista e garantia dos direitos humanos no país.
Loreta que se tornou mais conhecida, após a publicação do livro As Moças de Minas, de Luiz Manfredinni, em 1989, onde ela está incluída. Também empresta seu nome, desde 2005, ao Centro de Referência Loreta Valadares - Prevenção e Atenção a Mulheres em Situação de Violência (CRLV), primeiro do estado e conquista do movimento de mulheres, que funciona na cidade de Salvador. Resultado de articulação e parceria entre os governos municipal, estadual e federal, e inaugurado em 25 de novembro de 2005, Dia Internacional de Combate à Violência Contra a Mulher, tornou-se em 2008, parte integrante da estrutura da Secretaria Especial de Políticas Públicas para as Mulheres (SPM).
Também na Bahia, em Vitória da Conquista, a Câmara Municipal instituiu em 2008, o título Mulher Cidadã Loreta Valadares, destinado a mulheres que se destaquem nas ações em defesa da causa feminina e o PCdoB baiano, partido a qual ela pertencia, deu seu nome a Escola de Formação criada com o objetivo de intensificar a troca de conhecimentos entre os militantes comunistas do estado da Bahia e propagar as idéias revolucionárias de Marx, Engels, Lenin entre outros, trilhando caminhos rumo à Revolução.
Loreta faleceu aos 61 anos, em 2004, na Bahia.

 


COMENTÁRIOS

REDEH 2008 ©. Todos os direitos reservados.